Curta e compartilhe!

Era apenas uma tarde de domingo e mais uma vez ele apresentaria seu show. Como de rotina, vestiu suas roupas típicas e com seu violão foi ao palco apresentar-se. Não era muito famoso, mas tinha certo prestígio. As pessoas do bar paravam o que estavam fazendo para ouvi-lo tocar.O show começou e como sempre ele toca as mesmas músicas românticas, mesmo que não tivesse sentido algum para ele, pois jamais havia amado alguma mulher. Com a forte iluminação em seu rosto devido aos holofotes, ele se aliena de todos à sua volta e toca como se estivesse sozinho. Ao final de sua primeira música, os holofotes abaixam e então ele consegue enxergar as pessoas do recinto aplaudindo-o. A comum tarde de domingo não seria mais tão comum.

Na platéia ele avista uma mulher que muito se assemelhava a um anjo. O anjo de sua vida, com cabelos dourados e olhos azuis como o oceano, um jeito meigo acompanhado de uma sensação de leveza ao olhá-la. Era como se tivesse perdido o chão sob seus pés. Encontrava-se perdido em um sentimento incondicional e avassalador que jamais havia sentido antes. Havia se apaixonado instantaneamente por aquele anjo de beleza estonteante.

Ao final de seu intervalo, começaria sua próxima música. Novamente os holofotes aumentam, impedindo-o de continuar apreciando sua amada. Ele torna a tocar. Toca de coração, com uma emoção e inspiração jamais vista. Parecia que seria sua última vez naquele palco, ou até última vez em sua vida. O melhor show já antes feito por ele.

Com uma performance dessas, o público do bar aplaude-o de pé, porém seu rosto estava descontente. Sua amada não estava mais lá. Inquieto, ele deixa o palco rapidamente e procura-a por toda parte. Nada. Desapontado, volta à sua casa sem sequer receber o cachê.

O dia mais feliz de sua vida tinha se tornado um pesadelo. Aquela mulher a partir daquele momento não sairia nunca mais de sua cabeça. Onde ela estaria? Como achá-la? Não sabia nem por onde começar. Não sabia seu nome, seu endereço, sua idade, sabia apenas que era o amor de sua vida.
Dias e noites passaram-se e a todo o momento a imagem daquele rosto angelical vinha a sua cabeça. Estava atormentado por nunca mais poder vê-la. Sabia que sua vida não seria mais a mesma.

A partir daí passou a isolar-se. Sua vida parecia não ter mais sentido. Nada mais parecia ter graça. Sua vida resumia-se a escrever músicas de amor e sonhar acordado com sua amada.

Dias se passaram que mais pareciam meses. Resolveu deixar sua vida e procurá-la em todo lugar. Viajou para centenas de cidades, mudou-se diversas vezes, tocou em infinitos bares diferentes para sustentar-se. Tudo em vão.

Já havia perdido as esperanças de encontrá-la e por diversas vezes pensou e tentou suicidar-se. Parecia que estava sentenciado a viver na agonia de estar longe de sua alma gêmea, e assim passaria a eternidade. Agora, a sua única lembrança era do sorriso cativante e o olhar penetrante de sua princesa.

Então aprendeu a conviver com isso. Aprendeu a aceitar que a sua vida, apesar de dolorosa, deveria continuar. Apesar de a todo o momento ter aquela imagem em sua cabeça, ele seguiu em frente com uma força que até ele mesmo desconhecia. Retomou seu apartamento, seu emprego, sua vida. Voltou a tocar nos bares da cidade com a mesma emoção de quando estava sendo prestigiado por seu amor. Passou a ser muito conhecido pelas pessoas do bairro e até da cidade. Seus shows estavam cada vez mais freqüentados, mas sem dúvidas sua vida não estava completa. Ele queria ao menos vê-la mais uma vez, nem que fosse por foto, nem que fosse por um segundo. Por muitas vezes fez orações e promessas para que Deus cruzasse seu caminho ao dela. Uma dessas promessas seria que ele daria sua vida para ouvir sua voz por uma vez que fosse.

A fé move montanhas! Naquele domingo tão comum ele tocara como se sentisse o que estaria por vir. Ao apagar as luzes e ouvir os aplausos, seus ouvidos ficaram surdos e seu olhar se estreitou uma só imagem.

Era ela! A sua tão amada e angelical princesa estava lá, e aplaudindo-o! Seus olhos brilhavam como jamais haviam brilhado. Sua vida finalmente voltou a fazer sentido. As cores voltaram a ter força e seu sorriso não era mais forçado, dessa vez era sincero. Ao término dos aplausos ele se apressou e foi em direção a ela.

Era a hora. Finalmente saberia seu nome que por tanto tempo quis saber.
Meio desajeitado e sem graça ele se aproxima dela e meio que gaguejando pergunta-a seu nome. Ela, com um simpático sorriso e uma voz doce como uma melodia, responde:
– Giuliana.

Com um sorriso singelo, ele se retira aliviado, e caminha em direção a saída, sem pronunciar mais nenhuma palavra. Toma seu caminho pra casa, aonde chega, toma seu remédio e deita em sua cama. Ao lado escreve em um bloquinho meia dúzia de palavras e fecha os olhos.

No dia seguinte as pessoas da cidade estavam comentando sobre a morte do músico do bar. Aparentemente um suicídio, mas nada que possa ser explicado. Suas ultimas palavras estavam em um bilhete que dizia:

“Giuliana. O anjo de minha vida finalmente trouxe de volta a minha felicidade, e agora que a recuperei, já posso passar a eternidade feliz. Aonde for, no céu ou no inferno, a lembrança de seu lindo rosto e sua doce voz me protegerá, e então posso afirmar que minha vida fez sentido.”

Esse foi o último desabafo de uma vida resumida a um amor.

Giuliana, já sabia seu nome, já podia descansar em paz.

Orkut do autor: Dudu Julianelli

(Visitado 1.367 vezes, 1 visitas hoje)